Cidade de Deus

Curiosidades sobre o filme nacional “Cidade de Deus”

Não é mistério para ninguém que Cidade de Deus foi um marco na história do cinema nacional, Levando quatro indicações ao Oscar em 2004, Fernando Meirelles, diretor da obra conseguiu o impensável e deixou um legado dificilmente a se superar no cinema brasileiro. Apesar de ser um dos filmes mais conhecidos de Brasil, Cidade de Deus leva curiosidades que você nem imaginava!

O filme foi uma obra baseada em um livro. Do autor Paulo Lins, a narrativa acontece na comunidade do Rio de Janeiro, Cidade de Deus, retratando a vida e o trajeto de Buscapé em meio ao crime organizado na favela, lugar mais perigoso dos anos 80.

Umas das cenas importantes do filme é a que o personagem Seu Jorge, interpretando Mané Galinha, faz seu primeiro assassinado, e algumas pessoas da cidade o parabenizam pelo crime. A primeira mulher a lhe dar uma palavra de apoio foi a mãe de Mané Galinha, traficante que comandava a cidade de Deus nos anos 70, a participação foi obviamente planejada, mas é algo desconhecido por muitas pessoas.

A maior parte da equipe escalada para o filme, era de moradores de comunidades. Para trazer uma melhor ambientação, vivencia e noção dos acontecimentos Meirelles optou por escalar apenas atores que tivesse vivido em uma comunidade, para dar autenticidade a obra.

Para isso o diretor usou de pessoas que nunca tinham atuado antes, ou atores nenhum pouco famosos e bem pouco conhecidos. Assim criaria proximidade do espectador com os protagonistas, deixando o filme com mais cara de real, vivo por pessoas reais (o que não deixa de ser, né?)

Muitas cenas foram improvisadas. Em momento de descanso dos atores, a câmera continuava a gravar, e em algumas oportunidades, as filmagens foram usadas pelo editor da obra afim de dar mais espontaneidade e realismo sobre o que os atores viviam até ali, ou já viveram em algum momento na comunidade. Inclusive nas cenas em que Barnabé conta suas experiências vivendo em sua comunidade.

Uma das grandes revelações do filme foi Leandro Firmino, que deu vida a Zé Pequeno. O então atual ator, for até o local de deste para acompanhar alguns amigos, e acabou fazendo o teste só de brincadeira., e acabou tendo escalado para um dos papéis de maior importância no filme.

O filme foi retratado em uma época onde não haviam muitos celulares, e nem o uso deles. Como a maior parte do elenco era da comunidade, ninguém ali usava um aparelho tão sofisticado, e por isso, o diretor elaborou telegramas para notificar qualquer alteração, início das filmagens ou qualquer notícia que fosse pertinente ao conhecimento de todos.

Para se preparar na atuação, Douglas Silva ator que deu vida a Dadinho, sofreu bullying de Renato de Souza, interprete de Marreco, isso por orientação de Fátima Toledo que orientou como tudo deveria acontecer, para gerar real tensão nas cenas. Na cena em que Marreco dá um tapa na cara de Dadinho, Douglas Silva quase abandonou a produção.

Compartilhe este post:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.